.comment-link {margin-left:.6em;}

quarta-feira, novembro 30, 2005

Conversas que a Gata Preta ouve # 14

- Tens saudades minhas?
- Tenho sempre saudades tuas...
- Mesmo quando me vês todos os dias?
- Mesmo quando te vejo todos os dias.
- Estás a repetir as minhas palavras... Isso quer dizer que estás cansada...
- Sim, muito, mas nunca de ti.
-...
- Olha, a propósito, o que é que achas que é apropriado levar vestido à festa de passagem de ano dos teus amigos?
- Isso não vem "a propósito" de nada! ;) Nem é teu hábito pensares muito à frente... Mas, já que perguntas, sempre te digo que é irrelevante...
- Não é nada... As mulheres olham sempre umas para as outras e fazem comentários terríveis e maldosos. Não percebes nada de mulheres! :)
- Não, amor, tu é que não percebes nada de homens... é irrelevante porque, na primeira oportunidade, saímos de lá para fora para te tirar o vestido!... ;)

segunda-feira, novembro 28, 2005

Estranhos Momentos # 5, O que nos diz o Islão...


- Então, porquê a carinha carregada ?
- Porque tenho muitos pecados.
- Que resposta tão original! Eu julguei que com esse sorriso iluminado e esses olhos inocentes até fosses pouco pecadora.
- São pecados verdadeiros e não essas tolices.
- Querida, passamos aqui tanto frio e tormentas, que qualquer pecado te foi já inteiramente desculpado.
- Mas não... é que me arrependo muito de coisas que não fiz!
- Ora, isso não são pecados, são oportunidades perdidas! ...
- Chamam-se pecados se fizeste sofrer muito alguém... E não posso voltar atrás.
- São coisas falhadas, continuo a dizer. Mas tu... tu não estás morta! podes sempre recuperar...
- Eu não estou morta, mas os outros sim.
- Amiguinha, estar no mundo é sofrer. Assim nos mostra a experiência. Nós só podemos abrir portas aos outros... Abrimos a porta do sofrimento, a da alegria, a da beleza, a da amargura... Mas o caminho é deles, sempre. Tão só abrimos portas e eles chegaram lá mais rapidamente. O Mal estaria em só abrires uma porta ... aí terias razões para te torturar! Mas não acredito que tenha sido esse o caso.
-...
- Além disso, se me salvares agora, todos os teus pecados serão lavados, acredita. Fecha a porta que estou a gelar. Salvas uma alma e serás perdoada. Não é o que dizem os judeus? ;)

domingo, novembro 27, 2005

Canadian Mosaic

Eis uma dica para os futuros conferencistas que vierem aqui ao Norte Frio falar sobre o melting pot ... Poucas coisas irritam tanto um canadiano como ser confundido com um americano (poucas coisas irritam tanto um bermudiano como ser confundido com um canadiano, mas isso já dava outra historieta...).

Não há cá melting pot - isso é uma expressão do país do Arbusto e - obviamente ;) - os canadianos arranjaram outra que os diferenciasse e mostrasse que eles têm outras ideias, enquanto país formado por imigrantes (como todo o Novo Mundo, aliás, desde que os primeiríssimos escorraçaram os indígenas...). O que cá temos é o Canadian Mosaic. Passo a explicar - se minto, minto pelas bocas académicas e políticas alheias... minhauuuuffff - esta expressão: a ideia não é juntar a todos no mesmo saco e fazer uma mélange , mas que convivam todos saudavelmente, vivendo as suas diferenças e que as respeitem dentro de uma mesma sociedade.

A teoria é linda. Eu bato palmas. Simplesmente, no dia a dia, nunca verifiquei nada disso. Ou bem que nos comportamos dentro do modelo anglo-saxão ou bem que as consequências aparecem... Eu curvo-me perante o Quebec, que sempre soube manter a sua diferença, muitas vezes até arrogantemente.

E, já agora, mais uma dica aos senhores palestrantes. Fica mal dizer "esquimó" e "índio" por cá... Dá comichão às pessoas... NINGUéM diz. Ofende muito, lembra coisas do passado que agora se diz que nunca existiu. Diz-se native canadians e ainda se divide este grupo em 3: os indígenas, os nativos (ou seja, os que vivem em reservas fechadinhos), e os métis (mistura de índios com franceses). "Esquimó" nem pensar, isso é comedor de carne crua, e isto é um país civilizado, onde carne crua só se for sushi que é uma coisa finíssima de chique! ;)

quarta-feira, novembro 23, 2005

Conversas que a Gata Preta ouve # 13, A Infidelidade em Pensamento


R.Doisneau Posted by Picasa

- Tenho um enorme sentimento de culpa...
- Porquê?
- Porque penso constantemente noutros homens e em como seria estar com eles, e isso apesar de achar que o meu namorado é um querido...
- Bom, mas se, efectivamente, não chegas a fazer NADA, a culpa vem de onde?
- Porque penso nisso e muito, e só o pensar já indica que sou infiel, não?
- Que palavras... Atiras logo com "culpa" e "infiel"! A seguir saltam as chamas do inferno! Tu achas, por acaso, que ele nunca pensa noutras mulheres?
- Acho que não.
- Achas mal.
- Ele parece-me sempre muito dedicado a mim...
- Não duvido. Isso não implica que a vizinha nunca lhe passe pela cabeça... Ou, vá lá, se quisermos ser mais líricas, a Michelle Pfeiffer que sempre está mais distante...
- Achas mesmo? Mas vê se me entendes... Eu sou budista. Nós, budistas, precisamos de nos desligar destas coisas, valorizamos o alcançar da unidade. Eu, com estas dispersões, não vou a lado nenhum.
- Ó mulher, mas que dispersões! Se tu não concretizas nada!
- Sim, mas nós meditamos muito... Eu devia meditar para me desligar da materialidade e alcançar o nirvana... Não devia pensar em coisas destas.
- Sei... Olha, isso não será, por acaso, aquilo que o Sting faz? É porque se é, cheira-me a uma treta valente, desculpa, e com o respeito reverente que me merece a tua religião.
- Quem é o Sting?
- Deixa lá... Come mais um camarãozito... ;)

segunda-feira, novembro 21, 2005

Estranhos Conceitos # 6, A Caridade

Palavra irritante que tantos humanos gostam de utilizar e eu nunca percebi lá muito bem... minhauuuufffff!!!!
Eis um exemplo:
o jardineiro cá da zona é um tipo normal, mas calha ser mais pobre do que a maioria de nós, surdo-mudo e ligeiramente mais inocente do que o indivíduo comum. Por essa razão, os vizinhos pagam-lhe consideravelmente menos do que pagariam a um jardineiro sem estas características... por outras palavras, abusam do senhor e do seu suor.
Esta semana, vínhamos do passeio gatil noturno (minhauuuuu) e encontrámos o senhor a dormir no barracão de jardinagem dos ditos classe média avantajada, enrolado num cobertor de ocasião. Isto aqui neva, e um gajo a dormir num barracão arrisca-se a não chegar à Primavera...
Enfim, miado puxa palavra e descubro que o senhor dorme ali por caridade dos patrões.
Isto seria louvável se eu por acaso não soubesse que os vizinhos seus patrões são um casal de reformados com 60 anos, e uma casa com 3 quartos de cama livres. Ora, com tanta cama livre em casa, ainda se acham com direito de pavonear a sua caridade , esfregando na cara do senhor que é à conta desta que ele dorme no barracão deles? Há burgueses com muita LATA! FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF

Um abraço desde o Norte Frio


Esta porta sem a sua presença não mais será a mesma...

:(

sexta-feira, novembro 18, 2005

Estranhos Momentos # 4, A neve


--- Posted by Picasa

- ... E outra coisa, temos de ir também a ... O que é esta coisa branca a cair em cima de nós?
- Não queiras saber... Eu disse-te que hoje estão menos 8 graus, estava-se mesmo a ver que íamos ter a velha praga.
- Qual praga? É neve? A sério?!!! Não são flurries??
- É neve.
- (Gritos, no meio do parque de estacionamento da universidade)
- Ah ah ah! Olha, o Yannis pensa que viste uma doninha. Não, ela nunca sentiu neve a sério, não é nada. Ah, la petite portugaise... Estende a mão. Agarra um floco.
- Oh, que lindo, que lindo, que lindo!!!
- Ma chére, tu és um filme da Disney e não sabes... A neve é só água congelada. Vais fartar-te dela em duas semanas, talvez menos.
- Não; é linda. Olha os flocos a dançar!
- E ela diz que odeia romantismos e que gosta do Existencialismo... E fica em transe com a neve... On peut tomber amoreuse par moins que ça. ;)

Os Frutos das Canseiras


while ye may, Waterhouse Posted by Picasa

Quando merecem, merecem, também há que o dizer...

A minha "dona" ficou toda orgulhosa dos seus alunos esta semana!

É dar-lhes uns eventozinhos públicos que começam logo a trabalhar mais... minhauuu FFF!

terça-feira, novembro 15, 2005

FFFF, que canseiras....


upside down Posted by Picasa

Estamos a trabalhar arduamente... Voltaremos em breve! Minhauuuu

segunda-feira, novembro 14, 2005

Conversas que a Gata Preta ouve # 12

- Já reparei que, na generalidade, dás notas muito baixas...
- Infelizmente, sim, mas isso acontece porque os alunos as merecem.
- Merecem? O que queres dizer?
- Não estudam, não se esforçam por aprender, não estão abertos a uma nova cultura, uma nova língua, nem dominam a sua gramática.
- E tu, minha cara colega, ainda não te habituaste a esta cultura!... Não estás na Europa. Aqui, os alunos não têm necessariamente de estudar muito para ter uma nota decente.
- Não sei se percebo...
- Pagam propinas muito altas. Ora, se pagam esta enormidade, têm direito a ter uma nota decente.
- Têm direito a aulas decentes, queres tu dizer... E depois fazem delas o que bem entenderem. A opção de estudar por si ou não já é com cada um, como bem se vê pelos resultados.
- Não, não... Bem vejo que ainda não te orientaste no esquema. Têm direito à nota. Pagam, têm a nota. Percebes? É assim. Todos, mais ou menos, o aceitam como certo.
- Mas assim, eles não aprendem nada! O propósito do professor é ensinar, não é andar a vender notas...
- Concordo que pode ser discutível, mas com certeza não esperas mudar mentalidades...
- E se esses alunos, um dia, forem profes? O que podem ensinar se não sabem nada? Se se baixou a fasquia assim tanto...
- Pois é. Felizmente, poucos terão essa paciência. Esperemos...
- Mas eu não posso fazer isso, não sou mercadora!
- Hum, já vi que tens a mania das cruzadas! ... Isso da consciência é bonito, mas vai durar pouco, porque estás sózinha.

sexta-feira, novembro 11, 2005

Consegues imaginar um mundo totalmente branco?


o piano tem teclas brancas e negras -
ebony and ivory, lembram-se, ó gajos que cantavam nos anos 70? Posted by Picasa

O post anterior era sobre racismo e xenofobia. Acho que poucos perceberam isso.
Tenho lido muito em blogs sobre a situação em França (tal como li aquando do arrastão em Portugal, etc, etc...). Eu já prometi a mim mesma nunca mais escrever sobre discriminação. Primeiro, porque ao contrário de muitos de vós, sei bem o que isso é, por experiências próprias (está no plural porque foram variadas ao longo da vida, em diversos locais); depois, porque também as vivi de perto com familiares e/ou amigos; e em terceiro lugar porque também as conheço noutro prisma, ou seja, dentro do meu próprio país, onde trabalhei nessa área, para além de ter casado com um cidadão de outro país.

A maior parte das coisas que se escrevem (desculpem lá os senhores que têm dito coisas inteligentes) são um chorrilho de demagogias. E, o que é mais, de nacionalismos assustadores e perigosas generalizações, muitas vezes. Claro que isso não é novidade. É só lamentável. Até porque, meus caros, nunca se sabe - como se está a ver- quando é que as pessoas deixam de ter paciência, perdem a razão e começam a pagar-vos na mesma moeda.

Os meus colegas árabes são todos os dias rotulados de terroristas. Quando querem trocar de lugar no avião, é anunciado no speaker se alguém se importa de trocar de lugar e ficar ao lado do senhor do Afeganistão ou da Argélia. Eu pergunto: "Qual é a diferença??" Ninguém ouve o altifalante a anunciar se nos importamos de trocar de lugar e ficar junto do senhor britânico ou italiano! Pois é...

Os meus colegas negros passam a vida a ter problemas com a polícia, que os manda parar (e isto é um exemplo ao calhas) por excesso de velocidade, parte-lhes um farol com o cacetete e diz "O senhor tem o farol partido, a multa é elevada; acompanhe-me à esquadra!". E ninguém diz NADA, porque é normal a polícia ser racista e fazer isto.

Estes exemplos não são coisas que me contam... São coisas que vejo. Podia encher o blog todo. Por acaso, estes são do Canadá, supostamente multicultural e tolerante, e passaram-se com colegas meus - nem sequer foram os concierges franceses, que sim, sofrem e são postos de lado, sim senhor. Eu sei, porque conheço as condições dos magrebinos e dos portugueses de Paris.
Isso não justifica o recurso à violência, dir-me-ão... Concordo, em absoluto. Mas também não se justifica que o suposto provedor das nossas melhores condições de vida nos chame "escumalha!". Queria ver o povo português em brasa se o Sócrates lhes chamasse nomes... Muito quietinhos ficaram os chineses na Madeira... Isso porque a sua noção cultural de tempo é diferente, é muito larga! ;) Attends, Alberto João, e verás quando ela te cai em cima!

quarta-feira, novembro 09, 2005

imaginem este blog completamente branco....

seria bem aborrecido, não...?

ENTãO PORQUE RAIO INSISTEM ALGUNS NUM MUNDO DE UMA COR Só ???

segunda-feira, novembro 07, 2005

Tipos...


Southpark - make them yourself - by J. Posted by Picasa

Minhauuuu
Claro que "tipos" assim podemos encontrá-los em todo o lado e não serão exclusivos do Canadá anglófono. Mas em todo o lado me irritam! FFFFFFFFFFFFFFFF
Sabem bem de quem falo: o senhor classe média-alta que passa a vida a falar dos 500 dólares anuais (podem trocar a moeda, se quiserem) que dá à filha adoptiva que tem num país dito de Terceiro Mundo (que nunca viu, mas fica bem dizer que alimenta alguém num lugar longínquo e GABAR -SE DISSO), que comprou três raquetas de diferentes espessuras, mas nem sabe jogar ténis (apesar de gritar como um louco com os apanha-bolas, raça inferior, putos de um raio!), que adora a esposa, mas tem como melhor amiga a sua mão direita e os kleenex (companheiros indispensáveis para quando está a ver o filmezito porno e a esposa ressona como o anjo que é), que gosta de passar algum tempo livre a fazer "caridade" (a palavra que usa tanto) numa instituição com pessoas desfavorecidas ou miúdos e não perde a oportunidade de os apalpar quando ninguém parece estar a olhar. Ai, estes senhores ! Um primor em todo o país RICO!
Minhauuuu FFFFFFFFFFFFFFff

sábado, novembro 05, 2005

Conversas que a Gata Preta ouve # 11


Just like the movies... Posted by Picasa

- Mas afinal qual é a importância de aprendermos a língua e a cultura portuguesas?
- O português é a língua oficial de 8 países. E quanto à cultura é riquíssima e variada e, como vês, há muito para dizer sobre ela. Quanto mais não seja pela curiosidade de conhecer algo que tem muito mais para dizer do que os 200 anos de história do Canadá (com o devido respeito, o mundo não acaba aqui...)
- Hum, não sei... Eu acho que todo o mundo sabe falar inglês, sra profe.
- E esse "todo o mundo" é quem?
- Eu vejo nos filmes.
- Ah, Jesus Cristo e os E.T.'s, portanto.
- Não, sra profe. Eu já fui ao México, eu viajo. As pessoas falam inglês. Eu não preciso de aprender mais nenhuma língua. Além disso, a América domina o mundo, para quê aprender coisas sobre os outros?
- Olha, quando disserem piadas sobre ti na língua deles, podes responder-lhes. Luta, homem! Quanto mais línguas falares, mais oportunidades tens na vida... E arranjas mais amigos, desafias-te a ti mesmo, é divertido aprender, ... até arranjas mais namoradas.
- Mas, sra profe, eu sei que não vou muito longe. E eu até gosto das miúdas canadianas...


(Que se há-de fazer??????)

sexta-feira, novembro 04, 2005

Alto e pára a postagem!!! FFFFFFFFFFFF

Mas que é isto??? FFFFFFFFFFFFFFFf Minhauuuuuuu Algum serviço de correio electrónico para os anjinhos? Os anjos, se os há, têm mais o que fazer do que andar metidos com as carinhas num computador! Devem andar aos saltos nas nuvens, e às cambalhotas nas estrelinhas e tal... Isto para quem acredita nas tretas do céu. Pois. Isso. minhauuuu
De qualquer maneira, a próxima vez que te der para cartas bem podes mandá-las ao mar dentro de uma garrafinha... Já não pode uma gata ronronar adormecida que esta "dona" toma logo conta disto. FFFFFFFFFFFFF Anda com a mania que o blogue é dela. E, para mais, estas coisas lamechas... PLEASE!!!

Carta


en point Posted by Picasa

Meu amor pequenino,
Hoje vou escrever-te, embora eu saiba que não me podes ler porque não consegues. Porque não sabes, dizem... Mas que sabem as pessoas do que tu sabes ou não? Nada. Sabem ainda menos do que eu, e já eu penso que pouco penetro no teu mundo.
Escrevo para te dizer que tenho muitas saudades tuas. Saudades de passear contigo e de me perguntares com os olhos “o que é?”, e eu a explicar-te a vida como a entendo. Saudades de nos apertarmos as mãos até doer. De rirmos das nossas piadas cruas ou que mais ninguém entende. De vermos filmes, muitos filmes! (tu lembras-te?) Saudades das músicas que cantávamos e de tu dançares, mesmo sem música. Saudades de te ler histórias, de inventar outras que não estavam ali e tu fingires que sim, que acreditavas. Da nossa banheira, dos patos, do carro vermelho, e do sol que te incomodava na praia. Saudades de não dizeres bem o meu nome e inventares este. De andar de barco. De tirar fotografias (hey, que cara de tansos, riam-se por amor de todos!). Dos gelados.
De tu dizeres “não sei”, e até, (já no fim!), “quem és tu?” e isso não ter, afinal, importância nenhuma...
Saudades de te dar um abraço, e enfim, meu amor pequenino, um beijo e ficar ali. E dói-me mais por saber que não te volto a ver e que talvez nunca te expliquei ao certo que gosto muito de ti.

quinta-feira, novembro 03, 2005

Teste do Principezinho... :(

pilot.
You are the pilot.

Saint Exupery's 'The Little Prince' Quiz.

quarta-feira, novembro 02, 2005

Big Brother

Desiludam-se. Não estou a falar de nenhum programa de Tv (até porque nem gosto de Tv por aí além...). Falo da relação particular que têm o Canadá e os E.U.A.
Se conhecem muitos canadianos, sabem de certeza que eles torcem sempre o nariz aos americanos... que os acham tacanhos, racistas e pouco elegantes no seu modo de estar na vida. Os canadianos fazem de tudo para se diferenciar dos americanos, desde mudar a data de uma tradição norte-americana particular até evidenciar que eles (canadianos) têm uma herança europeia muito mais aguda, não só pelos colonos franceses como pela pertença à Commonwealth e a vassalagem à Rainha (que, bem lá no fundo, não apreciam nadinha...)
Paradoxalmente, tudo o que se passa nos E.U.A. lhes merece uma atenção particular. Dedicam-lhe horas dos seus noticiários, os costumes e modas americanos são "importados" ainda que com pequenas alterações, o sistema educativo é muito semelhante, as leis de lá em breve começam a ser pensadas pelos senhores de cá... É o que se chama imitação deformada.
Custava-me a perceber este amor-ódio, até que a minha colega (uma canadiana inteligente) me explicou:
"Os E.U.A. são o irmão mais velho do Canadá... Não os suportamos, fazemos de tudo para sermos diferentes, mas, na verdade, estamos sempre a imitá-los e a procurar que nem miúdos a sua aprovação. "
(excepção feita ao Quebec, essa província extraordinária e com esse carácter firme e independente, mesmo em relação ao resto do Canadá!)