.comment-link {margin-left:.6em;}

sábado, dezembro 29, 2007

Happy New Year mates!


Já vos deixei os meus votos aqui e, portanto, até para o ano que o mais certo é não poder voltar à internet até 2008! Tudo de bom.
Foto: mais do mesmo, "but when the lights are turning purple" says Dad.

quarta-feira, dezembro 26, 2007

So what do we do when Boxing Day is over?...


... Quando o Natal acaba, as pessoas já não têm desculpa para serem generosas, amáveis, para amarem o próximo, para darem a outra face, para procurarem a luz, para se lembrarem de quem nunca se lembram no resto do ano, para não discutirem, para deixarem de lado a hipocrisia e a violência.
Podem voltar a despejar as pessoas inconvenientes da família no asilo, na casa de saúde, no hospital, nas "escolas para crianças especiais", etc, etc. E não me venham dizer que na vossa família não há pessoas inconvenientes, pois mesmo que as tenham fechadas "convenientemente" num quartinho com uma senhora que trata delas, pois elas lá estão, mais ou menos bem tratadas, pouco amadas e muito pouco soluçadas quando (finalmente) se vão. O alívio é coisa que raramente se consegue esconder neste mundo.
Enfim, para o Ano voltamos a aliviar a consciência, tirando-as da cela e amando-as por dois dias no Natal. Ai, que lindo, o Natal. O amor de Jesus Menino é para todos, ámen.
Enfim, o Natal acabou e, portanto, acabaram também as bebedeiras, mas estas por alguns dias apenas, só até chegar ao Ano Novo, onde - com muito mais justiça e causa! - se pode beber à vontade, e com os copitos a mais tudo é desculpável: andar a cem à hora e atropelar um tipo qualquer que não tinha nada que estar ali no meio da rua, se por acaso lhe partirmos a espinha foi azar, chamar nomes à filha-de-quem-se-gosta-muito-mas-tu-sabes-linda-que-o-pai-perde-a-cabeça-quando-bebe-isto-não-tem-mal-amanhã-já-esquecemos-isto-os-dois!, ou pior, ou pior, mas nem falemos disso.
O Natal. Agora que se acabou o rufe-rufe dos embrulhos de prendas e que dos perús e bacalhaus só restam ossos e espinhas e está tudo a tomar Rennies, é agora que a mim me apetece dizer-vos:
um beijo de boas festas.
Para que não se esqueçam que podemos dar beijos todos os dias. Que não sejam beijos de Judas, please.

sábado, dezembro 22, 2007

:)


So this is Christmas
And what have you done
Another year over
And a new one just begun
And so this is Christmas
I hope you have fun
The near and the dear one
The old and the young
A very merry Christmas
And a happy New Year
Let's hope it's a good one
Without any fear
And so this is Christmas
For weak and for strong
For rich and the poor ones
The world is so wrong
And so happy Christmas
For black and for white
For yellow and red ones
Let's stop all the figh
tA very merry Christmas
And a happy New Year
Let's hope it's a good one
Without any fear
And so this is Christmas
And what have we done
Another year over
And a new one just begun
And so this is Christmas
I hope you have fun
The near and the dear one
The old and the young
A very merry Christmas
And a happy New Year
Let's hope it's a good one
Without any fear
War is over
If you want it
War is over
Now...
Lyrics: John Lennon
Photo: Patinoire, Caiê.
Feliz Natal. :)

quarta-feira, dezembro 19, 2007

Il y a combien...?


"je suis pas faché, ma belle. je suis maintenant dans ton corps de ballet."
definition de corps de ballet: le chorus d'une compagnie de danse.
Foto: Caiê no intervalo do trabalho (olhando para o trabalho... encore et encore!)

domingo, dezembro 16, 2007

Rough Draught




Desenho: Study for Boreas
Pintura: Boreas
J.W. Waterhouse.
Tenho de aprender a fazer rascunhos antes de entregar a obra pronta à editora, disse ela, pela terceira vez resmungando contra si própria.
Isso não me parece grave, resmungou o capitão, qualquer pessoa sabe que no mar não há segundas tentativas. A primeira vez é a solução que te salva a vida.


Conversas que a Gata Preta Ouve # 42


De novo, o Natal e, de novo, os primos sentados a uma mesa no café de sempre em Montmartre, discutindo os assuntos que não acabam nunca. A Gata Preta pensa que a vida é um ciclo e nunca uma linha recta.
Julien será sempre o menino parisiense que não gosta de ser parisiense, "moi, je suis de l'autre côté!". Mimi é a falsa tímida, charmante mais non ravissante , falta-lhe qualquer coisa, falta-lhe um brilho, "tu manques la joie de vivre...", e por isso não tão apetecível como o mano.
Marc é o bretão marítimo deslocado. Encontrou a sua mulher um dia. Perdeu-a. Não a viu durante 25 anos. Voltou a encontrá-la e concluíu que ela era a mulher da sua vida. Não mais se deixaram. Marc diz à priminha Gata Preta que é impossível não acreditar no amor e no destino, porque ele sabe que a mulher da sua vida existe.
A Gata Preta sorri, meia embevecida e meia irónica. Gosta do primo mais do que dos outros. O nosso coração tem sempre um preferido, por instinto. A Gata Preta diz-lhe que acredita nele, mas simplesmente acha que ela mesma, Gata Preta, é a mulher da sua própria vida pois chegado o momento da verdade é consigo mesma que conta e são as suas mãos as mãos que agarra para lutar contra as tempestades.

Foto: Ah, les religieuses de chocolat! , Paris, Caiê