.comment-link {margin-left:.6em;}

terça-feira, fevereiro 03, 2009

(...)



Há outra coisa muito invulgar neste pequeno humano. Ele desorientou completamente a (antes já de si desorientada) minha (muito pouco) dona. Ela agora mexe muito com as mãos e fala de uma forma mais espaçada. Mas de facto, ela aprende. As mãos dela tornaram-se mais espertas.




E eu que pensava que já tinha visto tudo no que toca à comunicação destes humanos... Na realidade, eu ainda só agora comecei.






O que acontece dentro do universo de um rapazinho que não sabe que o seu nome é diferente dos outros nomes? O que acontece dentro do universo de um rapazinho que tem a desvantagem de não ouvir as buzinas dos carros, como eu, Gata, ouço? E a suprema desvantagem de não ouvir música? Nem a voz da mãe? Na verdade, eu só agora, mea culpa, me interroguei.






Talvez não ouvir seja um pouco como viver eternamente no fundo do mar.







1 Comments:

  • Isto das mãos foi mais complicado do que parece... A Caiê começou por aprender Baby Sign Language, que utilizava para falar com ele, embora usasse sempre a voz. Quando ia embrenhar-se a sério a aprender duas linguagens gestuais (a portuguesa e a britânica), o David deixou de ser surdo profundo e passou a ouvir alguns sons. A princípio, isso foi muito doloroso para ele e um processo complicado para nós. Hoje, é um rapazinho que ouve bem... quando quer! :)

    By Anonymous Pug, at 11:26 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home